Praia Brava de Itamambuca

A Praia Brava de Itamambuca está localizada na região norte de Ubatuba, e o acesso é por trilha, por dentro da Mata Atlântica, que inicia-se no lado esquerdo  da Praia de Itamambuca.

Brava de Itamambuca - Ubatuba

Esta é uma praia de pequena extensão, não tem qualquer tipo de estrutura voltada ao turista e recebe muitos nomes: Brava da Itamambuca, Prainha ou ainda Pedrinha. A Praia Brava de Itamambuca é cheia de pedras gigantes, ornamentadas por bromélias, caetés, cactos e cipós. É necessário tomar cuidado com as ciladas da maré pois a praia é de tombo, de areia irregular, correnteza presente e com a maré alta a praia desaparece.

Brava de Itamambuca

O caminho por trilha usual para a Praia Brava de Itamambuca inicia-se na costeira, no canto esquerdo de Itamambuca. logo após o pequeno riacho. Pode-se observar uma rocha que forma uma parede lisa, na qual está uma corda de apoio, é onde inicia-se a aventura. Ao subir a rocha apoiando-se na corda. Logo encontramos raízes que servem de sustentação para a pequena escalada. Folhas em decomposição pelo caminho úmido, fazem com que parte do trajeto estreito fique enlameado.

Praia Brava de Itamambuca - Ubatuba

Íngreme, o percurso exige bastante atenção para não escorregar ladeira abaixo, e às vezes, é necessário pés e mãos em ação ao mesmo tempo. Caso encontre bifurcações, o aconselhável é seguir sempre à direita, e o tempo de trilha é de aproximadamente 35 minutos. Já no alto da colina, observa-se a Praia de Itamambuca, e árvores centenárias de troncos frondosos presentes em todo o trajeto, tais como Figueiras e Guapuruvus, existem alguns pontos de água no caminho, e muitos jasmins perfumados.

Praia Brava de Itamambuca - Ubatuba

Existe uma outra trilha para a Praia Brava de Itamambuca que parte da Praia do Félix, mas é um caminho muito fechado por dentro da Mata Atlântica, que exige a presença de um guia especializado.

A dica para visitar a praia é ir cedo e voltar antes do pôr do sol, devido a pouca luminosidade na mata fechada, e ficar de olho na tábua de marés. O lugar, revela-se de fato especial, mesmo porque aparece como num passo de mágica quando a maré está baixa e fica escondido por entre pedras, por isso para achá-lo é necessário o tempo certo, como um portal.

Importante:
Para realizar trilhas, siga algumas regras básicas: Preserve a natureza, não jogue lixo na trilha, não maltrate os animais, não entre em propriedades particulares, recolha seu lixo e dê o destino certo para ele, deixe apenas pegadas, evite fazer barulho, desfrute dos sons da natureza, cuidado para não causar incêndios na floresta, planeje bem sua caminhada e informe a alguém sobre seu passeio, proteja-se do sol, mosquitos, borrachudos e mantenha-se sempre na trilha.

Se a caminhada for extensa é indispensável alguns acessórios como um calçado confortável, calça comprida leve e macia, camiseta de manga comprida por conta do capim navalha, boné, mochila impermeável com repelente, protetor solar, máquina fotográfica, muda de roupa seca, capa de chuva, agasalho, apito, toalha, lanterna, além do lanche, água e barrinha de cereal por exemplo. Preste atenção as passadas, e desníveis causados por erosões, devido às chuvas, e a utilização de um “cajado” ajuda bastante a diminuir os impactos.

Também esteja alerta para a presença de cobras peçonhentas que são muito comuns na região da Mata Atlântica, as mais comuns são a jararaca (Bothrops jararaca), coral (Micrurus Corallinus), jararacuçú (Bothrops) e urutú-cruzeiro (Bothrops alternatus), e costumam ficar no meio da trilha e especialmente em lugares que bate sol.

Fazer trilhas acompanhado de um Guia Credenciado, é uma boa recomendação para garantir mais segurança e também aproveitar para conhecer a história do local.

Lembre-se: da natureza nada se tira, além de fotos e nada se leva, além de boas lembranças!!!