A Toca da Josefa

Neste post mostramos um pouco da história da Comunidade Quilombola do Camburi, em especial a famosa “Toca da Josefa” localizada “3 morros acima” da Cachoeira da Escada, aproximadamente 550 metros acima do nível do mar. Com fotos e vídeos de nossos amigos Cristiano @snts.cris e Ney @viannaney, incluindo o registro de uma jararaca que estava bem no caminho para a toca e que foi retirada com todo cuidado para não machucá-la.

Segundo relatos dos moradores da comunidade, um grupo de negros, liderado por uma escrava chamada Josefa, que vieram fugidos de fazendas da região de Paraty–RJ, teria sido um dos primeiros a ocupar a área. Muitos moradores se referem à escrava Josefa como uma “parenta” distante e o lugar onde ela teria se refugiado até hoje se mantém na comunidade como um marco histórico: a Toca da Josefa. Ela era bonita e corajosa.

Morou até o fim de sua vida nesta toca, e era a única do grupo que descia de tempos em tempos à praia para pegar mariscos, peixes e outros alimentos, destacando-se assim como líder do grupo e dando origem aos primeiros descendentes quilombolas da região norte do município. Fonte de parte do texto: José Ronaldo, editor do blog estação memória Camburi.

Narrativa de Cristiano para chegar até a Toca da Josefa
Tinha imensa vontade de conhecer a tão falada e histórica Toca da Josefa, depois de duas tentativas frustadas, alguns meses depois acordei no dia 06/10/2020 com uma mensagem no celular. Ney Viana, vulgo “Apache”: “Bora pra algum lugar”, e de imediato veio na minha cabeça, Toca da Josefa. Assim o chamei e combinei sairmos de casa às 9:00, horário meio tarde.

Mas foi assim que começou, saímos de casa de moto, seguimos pela rodovia Rio-Santos sentido a Paraty, exatamente no bairro do Camburi, e pelo caminho fui descrevendo alguns pontos que poderíamos nos aventurar, mas não saía da minha cabeça a Toca da Josefa. Afinal já tinha tentado duas vezes chegar lá, uma vez peguei o caminho para a esquerda, passando em cima da cachoeira da escada, e outra vez fui para a direita sem sucesso. Então chegando na entrada da trilha, no lado direito da Cachoeira da Escada, subindo por uma “picada” no meio da mata, seguimos em frente, e já nos deparamos com várias bifurcações, então pensei, já segui tanto para a direita quanto para esquerda.

Foi quando o Ney (Apache), decidiu que deveríamos subir na trilha central, escondemos a moto no mato e partimos. Começamos a subir pela trilha e logo no começo encontramos uma cobra coral, infelizmente morta, ali falei para o Ney sobre a importância do uso da perneira. Seguimos adiante subindo em meio a mata, não sabia a localização e nem altitude que iríamos encontrar a toca da Josefa. Pelo caminho passamos por várias árvores caídas, logo mais a frente chegamos a margem do rio que deságua na Cachoeira da Escada, e procuramos a continuação da possível trilha para a toca, graças a Deus gastamos apenas 2 minutos para encontrar.

Atravessamos o rio para o lado esquerdo e continuamos a seguir, parecia uma eternidade a subida, e minhas pernas estavam pesadas devido ao treino funcional que fiz no dia anterior, mas a vontade de encontrar a toca era mais forte. Pouco tempo depois chegamos a uma toca, procurei em meu celular fotos que tinha baixado para comparação, e naquele momento percebi que era a histórica Toca da Josefa. Eu e o Apache tiramos fotos, fizemos algumas filmagens e ficamos imaginando, como seria a provável vivência de Josefa naquele local tão extraordinário e maravilhoso. Então resolvi subir em cima da toca para ver a tão famosa vista da Praia do Camburi e a faixa litorânea de morros sentido Paraty.

Vista de cima da Toca da Josefa

Ao me deslocar para trás da toca, coloquei a mão em uma raiz que descia de cima da pedra, vi que ali habitava uma tão temida jararaca da mata. Rapidamente, pedi para o Ney me passar um galho para que pudesse retirá-la do local, sem causar nenhum mal aquele animal que tanto admiro. Obviamente registramos tudo. Ao subir na toca, a neblina tinha tomado conta da visão, infelizmente, mas não fiquei triste, pois o que eu procurava tinha encontrado.

A Toca da Josefa está situada aproximadamente 550 metros acima do nível do mar, e gastamos nesta caminhada, mais ou menos 2 horas e meia. Não se contentado com a caminhada eu e o Ney vulgo continuamos a subir mas aí já é história pra outra ocasião ……