A Lenda da Ilha da Selinha

Reza a lenda que na Ilha da Selinha, habitava um moço conhecido como Tavinho oriundo das bandas da Praia da Fazenda, e que adotou a ilha como lugar de descanso e de onde avistava o cardume de peixes que adentravam a baía da fazenda. Em certo momento de sua adolescência, nas suas andanças pela cidade de Paraty, acabou por conhecer Maria Célia. Uma moça linda, morena de olhos escuros que lá vivia e passaram a namorar. Os pais de Maria inconformados com o namoro passaram a perseguir Tavinho, para dar fim em sua vida.

Ilha da Selinha

Diante dessa ameaça, os dois namorados tiveram a ideia de viver definitivamente na ilha, onde, várias vezes passaram noites de luar, observando as tainhas que vinham do sul. Na Ilha da Selinha sentiam-se mais seguros imaginando que além de ser um paradeiro desconhecido, havia a dificuldade de chegar até lá, além da estratégia de poder vigiar a chegada de alguém.

Ilha da Selinha

Lá viveram por muitos anos e chegou o dia em que Maria esperava um filho, que seria a consumação desse amor tão forte e secreto, tido como testemunha apenas a própria ilha, que os acolhia em seu pequeno “coração de mata” sobre as rochas e cercados pela imensidão do oceano atlântico. Até que um dia, Tavinho ao retornar com sua canoa da cidade de Ubatuba onde ia levar peixes e de lá trazia o suprimento necessário para a subsistência do casal, aportou na ilha, e não avistou Maria, que por hábito sempre o esperava no lado esquerdo do “coração de mata” que fazia frente para as bandas de Ubatuba.

Ilha da Selinha

Desesperado passou a procurá-la por toda a ilha e gritando por seu nome, somente ouvia o barulho das ondas que explodiam contra o meio do coração, como desejasse lhe contar o que acontecera, mas não tinham como dizer a Tavinho. O rapaz desesperado ao ver que encontrava-se sozinho e sem qualquer pista de Maria Célia, de forma insana saiu remando pras bandas de Paraty, sentido a Ponta da Joatinga e nunca mais foi visto.

Contavam os antigos praianos que, logo após o ocorrido, houve um estrondo e a ilha partiu se ao meio, acredita-se que a natureza e a ilha entristecida com o sumiço do casal, que estavas prestes a acrescentar vida a ilha, de tristeza partiu-se ao meio e no seio de sua rachadura tragou o casebre construído por Tavinho, tão cuidado por Maria afim de não deixar vestígios desse amor com um fim tão trágico.

Diz a lenda que até hoje durante as noites de lua cheia, ao olhar de fora não se vê a rachadura separando a ilha, mas se nela pisar poderá ver o casebre e ouvir os gritos de Tavinho, chamando por Maria. Porém diz também que se alguém na ilha ficar, essa rachadura lhe consumirá, pois ali nunca mais haverá alguém aceito como morador…

Fotos deste post de nosso amigo @brunoamirimagens