Pontão da Fortaleza

O Pontão da Fortaleza está localizado próximo a Praia da Fortaleza, e fica refugiado na região sul de Ubatuba, sendo seu acesso pelo Km 68 da rodovia Rio-Santos (BR 101).

Pontão da Fortaleza

Chegamos a belíssima Praia da Fortaleza após percorrer cerca de 8 Km por uma “estradinha ecológica” asfaltada, estreita com muitas curvas, subidas e descidas, com vista maravilhosa do mar, passando pelas Praias Dura, Brava do Sul, Praia dos Arquitetos, Praia do Costa e Brava da Fortaleza.

Pontão da Fortaleza

O caminho para o Pontão se inicia no canto direito da Praia da Fortaleza, e com a maré baixa é possível chegar até a Prainha da Fortaleza pela areia. Esta prainha é um local muito frequentado por praticantes de mergulho, devido as muitas pedras, formações de coral, e presença marcante de peixes ornamentais. Se a maré estiver alta é possível fazer o breve caminho por uma trilha que se inicia subindo uma grande pedra.

Pontão da Fortaleza

A partir da Prainha da Fortaleza, o caminho para o Pontão da Fortaleza se inicia por uma trilha aberta de 10 a 12 minutos, de nível fácil, tomando-se o cuidado de seguir o caminho à esquerda ao chegar em uma bifurcação, para atingir o Pontão.

Pontão da Fortaleza

Se optar pelo caminho à direita nesta bifurcação, estará no percurso para a Praia do Cedro do Sul, a conhecida Trilha das 7 praias, que neste caso finaliza na Praia da Lagoinha.

Pontão visto da Trilha das 7 Praias
Pontão da Fortaleza visto da Trilha das 7 Praias

O Pontão da Fortaleza, impressiona pela beleza da costeira rochosa e formato das enormes pedras que parecem terem sido colocadas lá manualmente, em especial um conjunto de pedras que recebe o nome de “Pedra da Tartaruga”. O local é o paraíso do Boulder em Ubatuba, e recebe anualmente uma tradicional competição da modalidade reunindo centenas de montanhistas.

Boulder
Este é um esporte de escalada em rocha, praticado sem o uso de equipamentos de segurança como cordas e mosquetões. Consiste em escalar pequenos blocos de pedras, geralmente com altura não superior a 6 metros, onde os movimentos para finalizar o Boulder são geralmente de extrema dificuldade técnica e exigem força. Outra particularidade é que as “vias” feitas nesses blocos de pedras são chamados de “problemas” ou “problemas de boulder”, diferente da escalada tradicional ou esportiva onde temos “vias”.

Bouldering Laryssa
Bouldering – Laryssa Teles @teleslaala

Para a prática é necessário sapatilhas, carbonato de magnésio (para as mãos), “crash pad” (um espécie de colchão para amortecer a queda), e um segurança de corpo (chamado de “spot”). O segurança de corpo é uma pessoa cujo o papel é fazer com que o escalador caia em pé em cima do crash pad, isso é importante pois muitas vezes o escalador pode cair de mau jeito e mesmo em cima de um crash pad ele pode se machucar.

Importante:
Para realizar trilhas, siga algumas regras básicas: Preserve a natureza, não jogue lixo na trilha, não maltrate os animais, não entre em propriedades particulares, recolha seu lixo e dê o destino certo para ele, deixe apenas pegadas, evite fazer barulho, desfrute dos sons da natureza, cuidado para não causar incêndios na floresta, planeje bem sua caminhada e informe a alguém sobre seu passeio, proteja-se do sol, mosquitos, borrachudos e mantenha-se sempre na trilha.

Se a caminhada for extensa é indispensável alguns acessórios como um calçado confortável, calça comprida leve e macia, camiseta de manga comprida por conta do capim navalha, boné, mochila impermeável com repelente, protetor solar, máquina fotográfica, muda de roupa seca, capa de chuva, agasalho, apito, toalha, lanterna, além do lanche, água e barrinha de cereal por exemplo. Preste atenção as passadas, e desníveis causados por erosões, devido às chuvas, e a utilização de um “cajado” ajuda bastante a diminuir os impactos.

Também esteja alerta para abelhas, porcos do mato e a presença de cobras peçonhentas que são muito comuns em Ubatuba e na região da Mata Atlântica, tais como a jararaca (Bothrops jararaca), coral (Micrurus Corallinus), jararacuçú (Bothrops) e urutú-cruzeiro (Bothrops alternatus), que costumam ficar no meio da trilha, especialmente em lugares que bate sol.

Sempre recomendamos fazer trilhas acompanhado de um Guia Credenciado, pois além de garantir mais segurança, também aproveitamos para conhecer melhor a história do local.

Lembre-se: da natureza nada se tira, além de fotos e nada se leva, além de boas lembranças!!!