Praia e Vila de Picinguaba

A Praia de Picinguaba está localizada a 40 Km do Centro de Ubatuba e 40 Km de Paraty, e o seu acesso é pela Rodovia Rio-Santos no Km 11, seguindo por uma estradinha estreita e sinuosa de 2,8 Km de asfalto até a praia. Sempre rodeado pela Mata Atlântica e vista deslumbrante do mar.

Picinguaba

O local é uma vila de pescadores que oferece serviços de hotelaria e bar, além de abrigar casas de veraneio, sendo possível alugar baleeiras (pequenas embarcações) com os pescadores.

É um excelente refúgio, um local para se comer bem e se deliciar com um visual maravilhoso dos barcos de pesca parados na enseada.

Picinguaba

A praia que tem águas de cor verde esmeralda, é muita calma, ideal para crianças, mergulho, pesca, e um passeio em destaque é visitar a Ilha das Couves, com muitos barcos oferecendo o serviço.

O nome Picinguaba (refúgio de peixes em tupi-guarani) explica por si só a formação da Vila de Picinguaba, um ambiente rústico e que encanta quem procura simplicidade, tranquilidade, contato com a natureza e que é tombado pelo patrimônio histórico (Condephaat) desde 01/03/1983.

Picinguaba

Os moradores da Vila são praticamente pescadores, que mantém a originalidade e preservam a tradição caiçara. Há algumas residências de veraneio e poucas pousadas, a principal delas, que tem o nome da praia, recebe muitos turistas estrangeiros.

Picinguaba

De frente para o mar ficam ancorados os barcos dos caiçaras, moradores que exploram a pesca artesanal, e que têm sido prejudicados por barcos industriais, com tecnologias modernas de sonar, que detectam cardumes a grandes distâncias e com grande precisão, tornando as chances de um peixe escapar das redes mínimas, além de redes de quilômetros de extensão, suficientes para “fechar” a Baía de Picinguaba.

Picinguaba

Uma das atrações do lugar é apreciar o maravilhoso Pôr do Sol que temos nesta praia, isto por conta da mesma ter face oeste o que é raro no litoral brasileiro, onde as praias normalmente têm face leste e vemos o Nascer do Sol.

Projeto Cultivo de Vieiras
Esta é uma alternativa sustentável de renda para os moradores da Vila de Picinguaba, um projeto da ONG Eco-associação, que tem capacidade para produzir aproximadamente 20 mil vieiras por mês. Trata-se de uma tecnologia importada do Chile, que foi financiada pelo Ministério da Pesca e da Aquicultura e tem o apoio da Prefeitura de Ubatuba, Instituto de Pesca e da AMESP (Associação dos Maricultores do Estado de São Paulo). O projeto conta com uma balsa de cultivo, máquinas para limpeza e separação do produto e com o envolvimento de várias famílias de pescadores da região.

Os cultivos de vieiras em Ubatuba tiveram início em 2005, quando a prefeitura levou os pescadores para conhecer o Instituto de Ecodesenvolvimento da Baía da Ilha Grande, em Angra dos Reis- RJ  e assim participaram de capacitação técnica. Também foi através da prefeitura que os produtores receberam sementes de vieiras para testar o cultivo no município. Hoje, além da Picinguaba, comunidades das praias Bonete e Peres, além da Ilha da Rapada estão cultivando o molusco. Com isso, a cidade de Ubatuba deu mais um passo no sentido de se tornar um dos principais pólos produtores de vieiras do Brasil.
Fonte de Informações: goo.gl/SSpCcZ

vieira

O que são Vieiras?
Vieiras são moluscos bivalves (apresentam concha com duas peças fechadas por fortes músculos) marinhos que encontram-se em vários oceanos e abundantemente na América do Norte, norte da Europa, e Japão, sendo bastante apreciadas como alimento refinado. Nos países de língua inglesa são conhecidas como scallop, em francês são a famosa coquille saint-jacques. As conchas coloridas em forma de leque de algumas vieiras, com seu padrão de pregas radiantes, são apreciadas por colecionadores e tornaram-se um símbolo ostentado pelos peregrinos a Santiago de Compostela. A sua característica mais interessante na vida selvagem, segundo o National Geographic, é serem nadadores ativos, sendo o único bivalve migratório, movendo-se por propulsão com ajuda do músculo adutor.
(Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Vieira_(molusco))

História/Lenda de Picinguaba
Antigos moradores contam histórias fascinantes da visita do lobisomem na Praia de Picinguaba.
“Certa vez uma mulher vestida de “baeta” (vestido vermelho), quando retornava da missa numa Sexta-Feira da Paixão, lua cheia, cruzou com um cachorro enorme que mordeu um pedaço de seu vestido, assustada, correu para casa, trancou-se e pôs-se a rezar, a espera de seu esposo. Quando o mesmo chegou, contou-lhe o ocorrido, e enquanto lhe fazia um cafuné, percebeu um pedaço de tecido vermelho entre seus dentes. Mais assustada ainda, a mulher assim que o dia amanheceu, não perdeu tempo e foi relatar ao padre, o acontecido, afirmando que seu marido era o lobisomem. O padre, mais que depressa, tomou as providências para desfazer o encanto, e o marido agradeceu-lhe por tê-lo libertado desta maldição.

Fonte de Informações: Livro Ubatuba: Espaço Memória Cultura – Juan Guillermo D. Droguett