Explosão de OVNI na Praia das Toninhas em 1957

Esta é sem dúvida, uma das curiosidades mais impressionantes que já aconteceu em Ubatuba! Pois para o avistamento de objetos voadores não identificados, temos inúmeros relatos em todo o mundo, mas sobre a explosão de um deles, isso é inédito até então. Vamos aos fatos e relatos.

Explosão de OVNI em Ubatuba

Em Setembro de 1957 vários banhistas observaram um OVNI descer rapidamente dos céus, manobrar sobre a Praia das Toninhas e posteriormente explodir, liberando diversos fragmentos de metal, que foram coletados e enviados para análise em laboratórios especializados. O objeto vinha numa velocidade incrível, e quando estava prestes a se chocar contra a água, deu uma guinada para cima, explodindo em seguida, liberando chamas e fragmentos sobre o mar, próximo aos banhistas.

Explosão de OVNI em Ubatuba

Algumas testemunhas recolheram pedaços do OVNI, constatando ser de um material tão leve, que parecia papel, de aparência metálica. Uma delas enviou uma carta para o colunista do jornal O Globo, Ibrahim Sued, relatando: “Como leitor assíduo do jornal, quero proporcionar-lhes um verdadeiro furo jornalístico a respeito dos discos voadores, se é que acredita na existência deles.

fragmento do ovni coletado

Até alguns dias atrás eu mesmo não acreditava. Mas enquanto pescava na companhia de vários amigos, em Ubatuba, vi um disco voador aproximando-se da praia numa velocidade incrível, prestes a chocar-se contra as águas, quando, num impulso fantástico, elevou-se rapidamente e explodiu. Atônitos, acompanhamos o espetáculo, de chamas e fragmentos que mais pareciam fogos de artifício. Esses pedaços caíram quase todos sobre o mar, mas muitos caíram perto da praia, o que facilitou o recolhimento de uma parte do material. Aqui, anexo uma pequena amostra do material, que não sei a quem devo confiar para análise. Nunca li artigos que relatassem sobre pedaços desprendidos de UFOs, a menos que as autoridades militares tenham também impedido essas publicações. Certo de que este assunto muito lhe interessará, mando-lhe duas cópias desta.”

Três amostras dos fragmentos chegaram às mãos do ufólogo Olavo Fontes, renomado investigador de OVNI, que os encaminhou para as primeiras análises, que foram feitas no Departamento Nacional de Produção Mineral do Ministério da Agricultura, sob responsabilidade de Luiza Maria Barbosa.

Explosão de OVNI em Ubatuba

Os exames foram realizados através de espectrografia, que indicaram alta concentração de magnésio (99,99%), e ausência de outros elementos na amostra. Testes realizados em 1970 envolvendo os fragmentos encontrados demonstraram que o material sofreu uma “fusão solidificada unidirecional”, uma espécie de fusão a frio, técnica impossível para a época.

Explosão de OVNI em Ubatuba

Uma carta muito expressiva foi enviada para Coral Lorenzon, que co-dirigiu a Organização de Pesquisa de Fenômeno Aéreo de Tucson, Arizona (EUA), pelo Dr. Olavo Fontes. A carta, datada de 27 de fevereiro de 1958, detalha a visita que ele recebeu de dois homens que mostraram credenciais indicando serem eles do Serviço Secreto da Marinha, depois que ele enviou amostras de um material proveniente de um suposto UFO que havia explodido em Ubatuba para serem analisados na Universidade do Arizona. Estes homens disseram que ele sabia coisas as quais não lhe era permitido saber, e que a posse dos fragmentos de metal poderia ser perigosa para ele.

USP comprova material alienígena recolhido de ovni em Ubatuba – Resultado atesta que destroços recolhidos na praia não são do nosso planeta (abril de 2017). Veja a continuação da história:
Quase cinco décadas depois, o ufólogo Edison Boaventura Jr recebeu uma enigmática carta contendo quatro fragmentos do ovni acidentado em 1957. Ela foi enviada a ele por um homem que disse ser filho de um militar envolvido no caso. Curioso para saber se o material realmente tinha relação com os fragmentos de Ubatuba, ele e o colega Josef David S. Prado, presidente da Rede Brasileira de Pesquisas Ufológicas, enviaram as peças para o Laboratório de Caracterização Tecnológica da Universidade de São Paulo (USP), afim de comprovar a natureza dos destroços.

Ao serem examinados pelo técnico responsável, chamado Antônio, ficou constatado que os materiais tinham 99,3% de pureza no magnésio. Algo impossível de ser achado no nosso planeta. Agora, não restam dúvidas que os fragmentos são os mesmos recolhidos por turistas e pescadores na praia de Toninhas, nos anos 50.

Imagem antiga da Praia das Toninhas

Apesar do incidente de Ubatuba não repercutir da mesma forma que o famoso caso Roswell (1947), ele apresenta características potencialmente mais impactantes que o antecessor, como depoimentos de testemunhas oculares e captação do material espacial por parte dos populares, o que não aconteceu na cidade norte-americana. A análise e a confirmação científica por parte de uma das melhores universidade da América Latina também é outro fator importante para corroborar as alegações das testemunhas.

Fonte de Informações:
https://arquivosdoinsolito.blogspot.com.br/2008_01_01_archive.html

Palestra do Ufólogo Edison Boaventura Jr. em https://www.youtube.com/watch?v=HRNG5ZQcWdo

Canal do YouTube Medos e Segredos: https://www.youtube.com/watch?v=QRfgip32oz4
Trechos do Programa Fronteiras da Ciência
https://www.youtube.com/watch?v=PURmwzGHo08&t=61s

https://br.blastingnews.com/curiosidades/2017/04/usp-comprova-material-alienigena-recolhido-de-ovni-em-ubatuba-001623657.html