“Seu” Zé Pedro – Mestre Quilombola

O líder Mestre Quilombola “Seu” Zé Pedro, expoente da cultura dos povos de Comunidades Tradicionais da Região Norte de Ubatuba, vem mantendo a tradição do quilombo com seu cuidado e proteção do patrimônio histórico, cultural e ambiental, preservando a Casa de Farinha e unindo a comunidade do Quilombo Fazenda Picinguaba em torno de atividades que beneficiam a tradição.

Seu Zé Pedro

“Seu” Zé Pedro, é uma das personalidades de Ubatuba, muito respeitado pelas Comunidades Quilombolas, Indígenas e Caiçaras (ou Tradicionais como ele chama), uma referência de liderança natural e prestigiado por celebridades e políticos em geral.

A Casa de Farinha, onde ele reside já funcionou como um engenho de cana de açúcar no início da colonização do país, as ruínas apresentam uma roda d’água e todas as ferramentas necessárias para a fabricação de farinha de mandioca.

Casa da Farinha

Atualmente é utilizada pelos produtores locais de mandioca e também apreciada como monumento histórico, uma tecnologia patrimonial de importante valor cultural, social e econômico.

O Mestre quilombola Zé Pedro, neto de escravos, africanos de Angola, recebe os visitantes sempre com muita paciência, e adora contar as histórias que viveu desde que se muCasa da Farinha - Seu Zé Pedrodou para a Casa da Farinha há mais de 50 anos atrás (na década de 1960). Seu nome verdadeiro é José Vieira, nasceu em Cunha – SP em 30/11/1938, e é conhecido como José Pedro por causa de seu pai que se chamava Pedro José Vieira, este que já conhecia o trabalho em Casa de Farinha, Moinho de Fubá, Alambique e Olaria e que passou seus conhecimentos para o “Seu” Zé Pedro.
Com 13 anos de idade, trabalhou no calçamento de pedra da estrada que liga Cunha a Paraty, com 18 anos se casou, morou em Paraibuna, apenas 3 meses e em seguida a pedido do Governo do Estado (Caixa Econômica Estadual), que solicitava a presença de 12 famílias para trabalhar e ter usufruto, se fixou no Sertão da Fazenda, na Casa da Farinha.
Seu Zé PedroNão existia a Rodovia Rio-Santos e os percursos eram feitos todos por trilha, até Paraty levava por volta de 5 horas, trilha hoje conhecida como “Trilha do Corisco”, que passa pelo Jatobá, uma árvore centenária (cerca de 1 hora de caminhada), pelo Poço da Rasa (3 horas) e finaliza no Bairro do Corisco, já em Paraty. Até o Centro de Ubatuba cerca de 6 horas, beirando as Praias da Fazenda, Ubatumirim, Justa, Puruba, Léo, Prumirim, Félix, Itamambuca, Vermelha do Norte e Perequê-Açu. As travessias dos rios que tem no caminho, eram feitas por “barqueiros” e chegando no Itaguá, muitas vezes não conseguia hospedagem no único hotel que existia e após rever os amigos, prosear e tomar uma pinguinha, se recolhia na Praia do Matarazzo, dormindo dentro das canoas dos pescadores. Sempre voltava para o Sertão da Fazenda trazendo mantimentos de primeira necessidade, 10 ou 15 quilos, o que tornava a caminhada de volta mais cansativa ainda.

Hoje a Casa da Farinha, conta com uma Loja de Artesanatos e também estão à venda farinha, pé de Moleque moído, paçoca de amendoim, rapadura, bananas, pimenta, bolinho de mandioca com queijo frito na hora pela filha de “Seu” Zé Pedro e o próprio livro “Eu tenho um Sonho” que conta as história de vida do “Seu” Zé Pedro. A receita destas vendas ajuda e muito as famílias desta Comunidade Quilombola a ter uma condição de vida mais digna. Vale a Pena visitar este local e também se aventurar nas trilhas e cachoeiras.

Seu Zé Pedro - Livro

Fontes:
https://www.vivaubatuba.com.br/1o-festejo-do-folclore-da-fazenda-vivendo-com-alegria-a-tradicao-popular/
Livro: Eu tenho o meu sonho – Moacyr Pinto